A crise da coroa está entrando em uma nova fase em toda a Europa, incluindo a Holanda. Código vermelho, por assim dizer. Os estabelecimentos de alimentação e bebidas estão ou estão fechando, cada vez mais estão sendo tomadas medidas que paralisam a vida social. Os setores de hospitalidade, viagens e entretenimento estão sendo os mais atingidos, mas outros setores seguirão. Porque a economia também está se infectando. vem o Ecommercesetor será em breve o vencedor? O Ecommerce e o corona são aliados de má vontade?

Digamos primeiro que a crise da coroa não conhece vencedores, mas apenas perdedores. No entanto, do ponto de vista dos interesses econômicos, um setor perde mais do que o outro. É óbvio supor que o Ecommerce se beneficiará da crise. Afinal, os consumidores são aconselhados a ficar em casa o máximo possível e a fechar em muitos países lojas não essenciais suas portas a mando do governo. A farmácia e o supermercado ou mercearia continuam acessíveis, mas para todas as outras compras o cidadão tem de contar com os canais de retalho online. A comida também é cada vez mais encomendada online. Nesse sentido, Ecommerce e corona parecem melhores amigos.

Vantagens e desvantagens em relação entre Ecommerce e corona

Mas nem todas as lojas virtuais colhem os benefícios da crise da coroa, por mais dura que essa expressão possa parecer nesse contexto. Como a China foi a primeira a ser atacada pelo vírus e tomou medidas rigorosas em pouco tempo, importantes processos de produção e distribuição foram paralisados nessa região. maior fábrica do mundo. Isso criou problemas de estoque e entrega, especialmente na indústria eletrônica. A mídia belga até alertou contra um escassez de brinquedos sexuais, já que a China é o maior produtor e distribuidor de brinquedos eróticos. O medo infundado de que os itens encomendados do Alibaba pudessem ser contaminados também não ajudou o negócio online.

O consumidor vai primeiro”varejo sem toque”

Enquanto isso, a China parece ter ultrapassado o pico de contaminação e a vida social e econômica está lenta mas seguramente voltando aos trilhos. Isso inclui produção e distribuição associada. Os estoques estão sendo reabastecidos e o comércio online normal está começando lentamente, também nas lojas virtuais que dependem fortemente das exportações chinesas. Agora que o varejo físico está parando cada vez mais, os pedidos on-line certamente aumentarão. Por medo de contaminação, o consumidor opta por varejo sem toque.

Por exemplo, bol.com relatou recentemente um aumento significativo nas vendas apenas nessa categoria de artigos que são importantes para poder trabalhar em casa. A plataforma menciona laptops, telas separadas e fones de ouvido como exemplos. Todos os tipos de equipamentos esportivos para serem usados em casa, como halteres e colchonetes, também estão se mostrando extremamente populares, já que a gravidade da situação ocorreu a todos. A Bol.com também anunciou que seus parceiros de varejo e loja virtual (mais de 27.000 na Holanda e na Bélgica) praticamente não têm mais problemas de estoque. Com relação ao Ecommerce e corona, aplica-se o seguinte: a vida continua.

Ecommerce e corona: não apenas hosana

Nem todas as lojas virtuais 'se beneficiam' das multidões extras que já chegaram ou virão. De acordo com a associação comercial, Thuiswinkel.org, há principalmente uma corrida às necessidades primárias, como alimentos, cuidados e medicamentos. O diretor Wijnand Jongen descreve a situação como longe de ser apenas hosana. Primeiro, a incerteza resulta em procrastinação em torno de compras mais luxuosas. Em segundo lugar, os processos de distribuição são interrompidos porque muitos funcionários são aconselhados a ficar em casa. Embalar produtos e entregá-los como encomendas não é fácil trabalho de casa organização, então a cadeia de suprimentos fica presa em algum ponto.

Ainda é muito cedo para determinar como Ecommerce e corona se relacionarão e quais serão os efeitos duradouros após a crise. Como empresário do Ecommerce, é bom levar várias coisas a sério. Daí essas 7 dicas.

  1. Pense na sua reputação. Não use a crise da coroa muito chamativa para ganho comercial. Isso pode sair pela culatra.
  2. Intensifique suas campanhas de publicidade e marketing online. Muitas pessoas trabalham em casa e, portanto, têm mais oportunidades de fazer compras online durante o horário de trabalho.
  3. Feche suas lojas físicas por enquanto, mesmo que o governo não prescreva. coolblue , Tmobile, KPN e outros já fizeram isso para se concentrar totalmente nos pedidos on-line em rápido crescimento.
  4. Maximize a qualidade e a eficiência dos seus serviços ao cliente.
  5. Seja transparente sobre o que você faz ou não tem em estoque. Forneça boas alternativas. Seja honesto sobre os prazos de entrega.
  6. Continue se comunicando e faça mais pela fidelização do cliente. Ofereça garantias extras e mantenha os clientes fiéis informados sobre os desenvolvimentos, por exemplo, por e-mail.
  7. Use momentos de silêncio para pensar nas ferramentas de TI, dados e marketing que você usa.

Na EcommerceResult também levamos a sério os riscos do coronavírus e alinhamos nossos procedimentos de contato com as diretrizes. Aconselhamento online ou uma videochamada esclarecedora? marque uma consulta.